segunda-feira, 30 de junho de 2008

House & Grey´s Anatomy



A turma da Mad TV arrasa nessa paródia das duas séries, em um cross.

De Aprendiz a Sócio

Nosso colega de INPG, Clodoaldo Araújo venceu o Aprendiz 5.A vitória dele mostra o novo perfil do líder do século XXI, mais participativo, humilde, com senso muito grande de equipe.
O interessante é que Clodoaldo fez os cursos de Gestão Estratégica de Negócios e Gestão Empresarial. Estava mais do que preparado ao desafio.
Parabéns ao ex-aluno e ao corpo docente do INPG que o capacitou ainda mais.

Eta nóis!


Nada de ficar parado em julho

Movimente-se. Aqui tem cursos de férias para você escolher:
ESPM:

Estratégias de Comunicação com o Mercado;
Estratégias de Games para Comunicação e Marketing;
Eventos Empresariais: Ferramenta Estratégica da Comunicação;
Gestão da Inovação; Novas Tendências de Comunicação para Interagir com Diferentes Públicos; Planejamento de Comunicação Institucional;
Planejamento de Propaganda.
Tel.: (11) 5085-4600mailto:5085-4600centralinfo@espm.br

ABA - SP
Curso Básico de Mídia;
I Fórum ABA Rio de Marketing Cultural;
Tel.: (11) 3283-4588nlangsdorff@aba.com.br

* Fonte PropMark

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Promoção de dar água na boca

Para divulgar a nova embalagem "abre e fecha" a Lacta fará uma promoção em 210 pontos de vendas de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná
A ação nos pontos-de-vendas durará até o final de agosto e além da nova embalagem vai promover cinco novos sabores da marca.
Serão dois formatos de degustação nas redes de supermercados: a "Cabine dos Sentidos" e os carrinhos com promotores. A primeira acontece em 16 lojas e vai proporcionar ao consumidor experiências sensoriais para remeter à cremosidade e ao derretimento na boca, que só os chocolates Lacta possuem. Já a segunda funcionará como uma mídia em movimento dentro do ponto de venda.
Além disso, haverá a promoção "Comprou-Ganhou" e na compra de três embalagens de tabletes Lacta de 170g nas lojas participantes, o consumidor recebe mais um tablete grátis.
As ações foram desenvolvidas pela agência NewStyle.

* Fonte Portal da Propaganda

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Linguagem emotiva em comercial II



Esse comercial do Itaú seguros também é um que me marcou muito. É simplesmente fantástico. A agência é DM9, com a criação trilha e direção de locução do Emilio Carrera, o locutor é o inconfundível Paulo Goulart.

Linguagem emotiva em comercial



Esse comercial veiculou anos atrás para o canal Boomerang, é simplesmente fantástico. Não achei a versão brasileira, cuja trilha é mais emocionante ainda (se me lembro bem).
Está na galeria das propagandas que mais gostei. A criação é da F/Nazca.
Repare que só o comercial fala por si, só. Show!

Pós em Gestão de Marcas

A PUC MG, oferece o curso de Pós-graduação em Gestão de Marcas e Identidade Corporativa. O curso tem como objetivo fornecer uma visão sistêmica a respeito da administração de marcas e da identidade corporativa, aprimorando a capacidade do profissional em identificar oportunidades para a criação e sustentação de marcas fortes.
A pré-inscrição já se encontra no site . As aulas serão de noturnas, de terças, quartas e quintas-feiras, no Colégio Sagrado Coração de Jesus - RuaInconfidentes com Prof. Moraes - , em Belo Horizonte.

* Dica de Pedro Baldurquino, via Horizonte RP

Keep Walking



Esse é o video dos 100 anos de Johnny Walker, a versão original da agência londrina BBH. A versão brazuca é da Neogama/BBH, mas não achei.

Tô Bete!

Betty Suarez, a feia e competente assessora da revista Meade, em NY virou gíria nova no mundinho fashion. O seriado realmente é o must e minha nova dupla gay/hétero sarcástica preferida é Mark & Amanda; claro que Jack Black & Karen Walker ainda são reis.
Tanto que o pessoal da Thais Losso, no SPFW fez camiseta com a gíria. Vi no Te dou um dado?

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Seminário de mídia interativa

Acontece amanhã, 26 de junho, o IAB Media 2008, na cidade de Brasília.
Esse é o segundo evento da série de seminários regionais promovido pelo IAB Brasil, e apresentará um panorama da mídia interativa no País e os hábitos de consumo na internet. Voltado para anunciantes, agências e profissionais do mercado.
O encontro acontecerá no Memorial JK e discutirá a importância dos planos de comunicação incluírem cada vez mais as mídias interativas, uma vez que houve mudança no hábito de consumo de mídia da população, principalmente com a presença da classe C.
O valor da inscrição é de R$ 100,00 (sócio IAB tem 50% de desconto) e poderá ser feita através do telefone (11) 3849-8468 ou pelo e-mail fabiana@iabbrasil.org.br.

* Fonte Portal da Propaganda

7 erros comuns na análise on line

Li no Mundo RP, a dica que Alessandro Lima da E-life dá sobre os erros que algumas empresas cometem sobre mensuração/análise digital.
Leia o artigo todo no blog da e-life.

28º POP Relações Públicas

Inscreva seu case de RP no pop 2008. Informações e regulamentos aqui.

terça-feira, 24 de junho de 2008

INPG e Aprendiz


Hoje é a penúltima etapa do Aprendiz 5, vamos torcer para nosso colega de instituto.
Sucesso, Clodoaldo!

A revoada do Yahoo

Fonte: Blue Bus

Google e sua ajudinha na audiência da net

E o Google está praticamente em todas. Esse é um exemplo de marca, que até agora tem feito um dos melhores planejamentos e execução de branding dos últimos dois anos. Em termos de internet não há ainda um concorrente de peso. O Google procura estar a frente de todo serviço possível de se oferecer para o cyberespaço.
A penúltima do Google é que anuncia hoje um novo serviço grátis que mede a audiência da internet e ajuda anunciantes e agências no planejamento de mídia, facilitando assim a localizaçao de publicos especificos na web.
Segundo o Wall Street Journal, a ferramenta deve concorrer com os serviços pagos de empresas como comScore e Nielsen Online.

* Fonte Blu Bus

Há vagas para talentos

A revista Bites traz esse artigo interessantíssimo sobre a procura por talentos em gerenciamento de mídias sociais. O importante além de conhecer as novas mídias, é ter conhecimentos para realizar bons planejamento e atingir resultados.
Leia o artigo todo, aqui.

Comunicação interna é setor em ebulição de idéias

* Rodrigo Cogo

A intranet do Grupo Abril, o Índice de Desempenho Institucional da LVBA, o processo de mudança de marca do Unibanco e a visão estratégica da International Paper fizeram parte do último conjunto de atividades do 12. Congresso Anual de Comunicação Interna, organizado pela IBC - International Business Communications (www.informagroup.com.br), entre os dias 17 e 18 de junho de 2008 no Hotel Meliá Jardim Europa em São Paulo/SP. Um seminário específico sobre mensuração de resultados ainda foi organizado no dia 19, com diversos cases.

Representando um dos maiores e mais influentes grupos de comunicação da América Latina, a editora da Gerência de Comunicações da Abril, Sílvia Candal, escolheu a intranet Abrilnet, instaurada em 1997 e hoje com mais de 100 canais de conteúdo e cinco milhões de page-views/mês, para demonstrar a visão da área em sua organização. Sejam em monitores individuais dos funcionários ou em quiosques de acesso, o canal é um espaço agregador dos principais veículos internos: contém o Bolex – Boletim Executivo, um informativo com as principais notícias já veiculadas no enews PSC On-Line, o clipping diário também enviado por email, e campanhas de motivação e integração. Seu trabalho está ainda bastante centrado na elaboração do Jornal de Parede e em pesquisas periódicas.

O PSC On-Line é o canal mais visitado da Abrilnet, com média de 200 mil acessos por mês, e tem o propósito de dar a conhecer operações, processos, profissionais e cultura do Grupo, buscando que o funcionário localize-se, sinta-se integrado e desenvolva sua carreira. Tem entrevistas, matérias de serviços, cobertura de eventos e reportagens com links, álbuns de fotos e enquetes, comentários e alguns recursos multimídia (vídeos e animações). As notícias mais importantes da semana são enviadas nas sextas em newsletter por email, complementadas pela apresentação de manchetes previstas para a semana seguinte. É uma área em permanente revisão. Ela aponta que o “único caminho é adequar a comunicação ao perfil do público e ir adaptando as mídias internas às suas necessidades e ao momento em que a organização vive”. Entre as vantagens do meio eletrônico, estão agilidade, eficiência, contribuição para a sinergia, interatividade (todos são fonte) e maior credibilidade. “A vida online é dura, porque as demandas se multiplicam, mas é dinâmica e estimulante, onde os funcionários encontram respostas rápidas e se sentem motivados a participar”, analisa Sílvia.

Propondo um raciocínio crítico sobre os projetos em comunicação interna, a editora acredita que a divisão feita com a comunicação externa seja prejudicial, no sentido da separação do planejamento e do estilo dos gestores. Sobre a audiência, ainda é um ponto obscuro, porque não se sabe a visualização efetiva e a repercussão dos instrumentos. A participação da equipe nos temas e nos debates é muito instável e as demandas concretas de prazos e prioridades de negócio atrapalham. “Vivemos também muito de percepção e intuição, o que não é indicado”, finaliza.

ÍNDICE – A relações públicas Gisele Lorenzetti, diretora executiva da agência LVBA, rememorou quando a venda da comunicação era algo intangível e não mensurável, e assim aceito pelo mercado contratante. Contudo, a exigência por otimização de verba e a competição interna por incremento dos orçamentos levaram à necessidade de provação, de custo-benefício de todas as opções. Este movimento não foi diferente na área. Dos comunicadores internos é exigido agora um papel em três dimensões: em termos corporativos, de gestão de pessoas e de comunicação do negócio. Tudo para efetivamente poder contribuir para o desenvolvimento e a manutenção de um clima positivo, propício ao cumprimento de metas estratégicas da organização. E ela assinala a importância de saber o que é e como de fato se pratica a gestão estratégica como uma abordagem inovadora e criativa que garante competências essenciais para o sucesso dos negócios. Inclui análise profunda dos ambientes interno e externo, formulação de idéias e implementação de práticas e avaliação e controle, sempre com um senso de direcionamento comum. “E a disseminação das estratégias nada mais é que comunicação”, completa.

O planejamento estratégico de comunicação é uma operação de raciocínio e capacidade executiva que traduz a identidade da organização, tendo olhos no futuro com ações no presente e, por isto mesmo, flexíveis e adaptáveis, atentas aos objetivos estabelecidos a partir da missão e valores. Entre os atributos para a comunicação interna, estão transparência, consistência, assertividade, liberdade de expressão e respeito ao diálogo, num equilíbrio entre racional e emocional, tudo realizado com periodicidade definida. O fechamento do ciclo, e seu reinício, só acontece com o acompanhamento, a medição e a avaliação. A RP afirma que ações consistentes nascem do cenário interno e externo, levando em conta as variáveis econômicas, setoriais e jurídicas, assim como o comportamento dos grupos de pressão. O que se vê, contudo, são planos de ação que se descolam do planejamento, sobremaneira pela ausência de metas. Neste sentido, encontrar indicadores de mensuração é a saída, porque as ferramentas existentes – afora a análise do serviço de assessoria de imprensa – são limitadas. O Balanced Scorecard/BSC pode ser um dos caminhos, porque justamente mede resultados nas instituições para eficiência de gestão. Outra possibilidade, desenvolvida pela agência da palestrante, é o Índice de Desempenho Institucional/IDI.

ATITUDES - A ampla revisão de posicionamento do Unibanco foi tratada pelo seu Diretor Marcos Caetano, e não fugiu do enfoque de geração de resultados. Ele inicia com a sentença: “quando se pensa em endomarketing, é preciso ter em mente que o colaborador que compra a idéia da empresa gera valor para o negócio”. E estamos falando de uma organização com 34 mil funcionários em 18 mil pontos de atendimento. Na verdade, ele postula um novo método de trabalho: o ERM – Employee Relationship Marketing, com o funcionário como cliente interno a ser conquistado e fidelizado em busca de resultados, tal como no tradicional CRM.

Assim, pesquisas com funcionários, clientes e não-clientes detectaram a tendência de diferenciar-se da percepção da categoria bancária e inovar no setor (incluindo o slogan “banco que nem parece banco”). Desde a comunicação de missão-visão-valores virou “Jeito Unibanco”, numa redação informal gerida pelo Comitê da Cultura, com representantes de todos os setores. Entre os trabalhos feitos, o conhecimento das melhores práticas de outras empresas e a elaboração de proposta das atitudes que deveriam ser comuns. Uma pesquisa qualitativa interna com 300 pessoas, e outra sondagem quantitativa pela intranet com mais de 8 mil colaboradores resultou numa série de atitudes para serem buscadas: boa ambição, meritocracia inquestionável (não gerar dúvida), liderança intelectual (curiosos, criativos, descontraídos), diferente de todos, descomplicado (objetividade, anti-burocracia), o melhor com os melhores (aprimoramento constante de processos), o que vale é o placar (buscar metas, controlar custos), sem frescura (informal e respeitoso), time é tudo (qualidade da equipe e das interrelações), e cabeça nas nuvens e pés no chão.

A última participação do Congresso ficou sob encargo da coordenadora de Comunicação Interna da International Paper, a RP Juliana Rodrigues, que trata exatamente do novo contexto organizacional em que os trabalhos estão ocorrendo: desaparecimento de profissões, busca de excelência e resultados, aumento significativo de fusões e aquisições (foram 135 operações do gênero em 2007 no país) e mudança na visualização do público interno, que assume diferentes papéis na relação com a empresa (funcionário, cliente, vizinho, acionista – em momentos distintos do mesmo dia) e está composto por gerações e perfis bastante diferentes e até antagônicos, tal como as correntes que falam em “baby-boomers”, “geração X” e agora a “geração Y”.

Basicamente, na opinião da especialista, o balizador da Comunicação Interna devem ser os preceitos de Governança Corporativa: transparência, eqüidade, prestação de contas e responsabilidade social. Isto porque comunicação é compartilhar informação e significado, desenvolver pessoas e conhecimento, facilitar relacionamentos e construir cultura. Juliana trouxe algumas tendências apresentadas pelo Observatório Ipsos em 2006, como o My Way (mundo personalizado e postura de exclusividade, em contraponto com o consumo de massa), o Go Global (mundo globalizado, mistura de práticas, pontos-de-vista, preferências, ansiedades, diante da integração econômica e comunicacional) e o ID Quest (mundo em crise de identidade, sem modelos absolutos, cada um estabelecendo seus próprios parâmetros numa recriação da individualidade).

* Texto especial para o Oras Blog! com cobertura do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Tem INPG em O Aprendiz 5

Conforme o Diretor do INPG Consulting, Nicolas Olinquevitch avisou, o Clodoaldo Araujo, um dos três finalistas do programa O Aprendiz 5, é ex-aluno do curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios do INPG - Limeira/SP.
Para ver o currículo do aluno, acesse o link do programa
A final será quinta-feira, dia 26/6/2008.

Cursos de férias

A Jump Education traz vários cursos de tecnologia em comunicação no mês de julho.
Para ver a programação, clique aqui.

* Fonte RP Palavreando
Mais uma charge hilária de Dorinho.

Mensuração de resultados é a nova ordem da comunicação interna

* Rodrigo Cogo
A premissa da comunicação deve partir dos assuntos, interesses e sentidos em comum, repletos de símbolos e signos identitários, com a proposição de transformar e garantir o envolvimento através do encantamento e da emoção. Com esta mensagem, a coordenadora de Comunicação Interna da Vale, Rozália Del Gáudio, apresentou as ações integrantes do recente case de mudança de marca em uma corporação com 66 mil funcionários distribuídos em 30 países. É fácil entender como são múltiplos os pontos de contato da equipe que pulverizam sua atenção, afora o fato de que as pessoas desenvolvem suas próprias redes de informação e expressão e interagem fora dos domínios das ferramentas oficiais institucionalizadas. Para uma diferenciação satisfatória, na opinião da executiva o início está na determinação do posicionamento, com algumas características fundamentais que contribuem com a reputação: ser alinhado, crível, inspirador, único e durável.

A reputação inicia pelo público interno, que deve ser estimulado para ter confiança em torno da identidade projetada pela organização, através do conhecimento detalhado e compartilhado de missão, visão e valores. Passa por um treinamento incisivo para desenvolver um comportamento comunicativo junto aos gerentes, que são os principais disseminadores do diálogo e favorecedores da expressão de todos os funcionários. Rozália formaliza o que seria o tripé da reputação empresarial, estruturado por Charles Fombrun do Reputation Institute e integrado pelo envolvimento do empregado, pela cobertura da mídia e pelos esforços de comunicação corporativa, articulando afeto, visão geral, admiração e crença. “O principal é saber que estamos falando para, sobre e com pessoas”, enfatiza.

O processo de definição de um DNA comum, a partir do alinhamento da empresa sob um mesmo nome, foi implementado por rodas de café-da-manhã em que cada funcionário era incentivado a externar seus valores pessoais, sua visão do mundo e suas intenções de carreira, cujos retornos embasaram a redação dos pilares da organização. Foi realizada uma campanha interna de comunicação da nova marca, intitulada “O que a gente sonha, a gente transforma”, havendo repasse de informações desde o pré-surgimento da idéia, com envelopamentos das unidades de trabalho com tecidos coloridos (posteriormente doados para entidades) e pela fixação de 300 quadros para registro manual pelos funcionários dos sonhos realizados por eles após ter ingressado na empresa. O lançamento efetivo, em evento para 500 lideranças de todos os países abrangidos, foi transmitido pela TV corporativa para o Brasil e pela internet para o restante do mundo, tendo também sido organizada uma apresentação de dança acrobática por um grupo de artistas alemães nas paredes da matriz no Rio de Janeiro, encima de um painel gigante que reproduzia o mapa-mundi e depois fazendo o descerramento de faixa com a nova logomarca. “Temos o desafio permanente de trabalhar a objetividade e a subjetividade, a racionalidade e a emoção, dentro de uma coerência interna”, finaliza.

* Texto especial para o Oras Blog!, dp RP Rodrigo Cogo, com conteúdo parcial a ser exibido completo no portal Mundo das Relações Públicas

domingo, 22 de junho de 2008

Comunicação interna é área estratégica


* Rodrigo Cogo
O posicionamento estratégico da área de Comunicação Interna nas organizações é um ponto fundamental para a consolidação do trabalho dos profissionais. Os caminhos para alcançar esta credibilidade e mesmo aumentar verbas e estruturas foram levantados durante o 12. Congresso Anual do setor organizado pela IBC - International Business Communications,, nos dias 17 e 18 de junho de 2008, no Hotel Meliá Jardim Europa em São Paulo/SP..

Numa proposta de criar valor e alcançar objetivos da instituição por meio da informação, mobilização e comprometimento dos funcionários, Mário Lúcio Peconick apresentou a experiência da comunicação interna do Banco do Brasil. Como gerente da área para 82 mil funcionários em quatro mil pontos diferentes de interface, ele enfatiza que as ações são pensadas para provocar relações interpessoais que possibilitem um clima de diálogo e parceria para criar valor, atingindo resultados. “Recursos tecnológicos diferenciados só fazem sentido se estiverem alinhados à estratégia de negócios”, pontua.

Para atingir maior confiabilidade interna, garantindo recursos e voz, Peconick sugere uma postura transparente e ética, com ação interativa com os colegas e firmeza de processos e atribuições. O desafio é aprofundar-se nos conteúdos dos diversos setores, prestando consultoria. Para ele, “os profissionais têm que organizar e hierarquizar as demandas internas com uma ferramenta específica que permita que todos visualizem as necessidades gerais”. Daí é inadiável a tarefa instrumentalizadora: mapeamento e estruturação da comunicação com definição de veículos e canais corporativos, com linha editorial clara que minimize conflitos de participação, e com criação de fluxo de atendimento. No caso do BB, implementam ainda agência de notícias, revista, TV corporativa, boletins segmentados, intranet, jornal-mural, papel de parede dos computadores, email marketing, Diário de Bordo (agenda) e grupos de discussão online. Neste ínterim, também se faz a elaboração de campanhas internas diversas de conscientização, mudança de atitude, motivação e outras. O universo da pesquisa não fica de fora: servem para identificar tendências e monitor efetividade dos passos tomados. “Estamos trabalhando muito na capacitação de gestores locais para atuar como comunicadores, porque eles têm a confiança da equipe e desenvolvem a essencial comunicação face-a-face”.

Todo o esforço está centrado na instauração de um panorama, explicado através de uma frase de Patrick Lencioni: “as pessoas nunca estão dispostas a se esforçar por algo que elas não sabem claramente o que é , nem o que vão ganhar com isso”. Entre as principais barreiras para implementar os processos estão a resistência dos setores em profissionalizar seus contatos com conseqüente falta de comprometimento com as solicitações da área para bom funcionamento dos projetos, até vendo a comunicação interna apenas como canal e ferramenta operacional. Por isto, ele acredita que um caminho coerente seria apresentar formalmente as atribuições do segmento para os demais setores e não ter reservas em formar lideranças como canais de comunicação em uma rede transversal de agentes (num estímulo à comunicação de mão dupla que dá agilidade, eficiência e segurança às informações, integrando e comprometendo as pessoas), constituindo-se numa “negociadora de interesses”. E complementa: “em geral, a comunicação interna só se efetiva como um instrumento estratégico de gestão com ações integradas para todos os públicos”.

MONITORAMENTO – Como apresentar resultados concretos sobre um trabalho feito com e para pessoas? Com este questionamento, a relações públicas, jornalista e publicitária Maria José D’Alessandro lista as etapas para estruturação da comunicação interna: combinação de equipe com pessoal próprio e terceirizados, estabelecimento claro de verba, escolha equilibrada de canais e ferramentas de relacionamento. Em média, acredita que esta organização e o início de resultados efetivos se dê em dois anos. “É um sistema complexo, as pessoas têm repertórios diferentes, independente do tamanho da organização, e o público interno é o principal stakeholder, o principal formador de opinião e o principal cartão-de-visitas”, destaca a gerente de RP da Federação das Indústrias de Minas Gerais/FIEMG.

* Texto especial para o Oras Blog!, com conteúdo parcial do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674 - Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

Ações de comunicação alinhadas ao negócio recebem prioridade

*Rodrigo Cogo
A comunicação direta vem conquistando espaço no planejamento estratégico da comunicação para funcionários das corporações. Foi esta a principal lição da parte da tarde do dia 17 de junho de 2008, nas palestras integrantes do 12. Congresso Anual de Comunicação Interna organizado pela IBC - International Business Communications , em São Paulo/SP.

Os quase 13 mil funcionários distribuídos em 11 países dão uma dimensão da complexidade do trabalho da gerente de Comunicação da Novelis, Eunice Lima. Com operações envolvendo mineração, energia elétrica, químicos, alumínio, laminação e reciclagem, a diversidade de perfis na equipe traz um imenso desafio. Ela relata que a comunicação interna no grupo busca contribuir para o realinhamento da cultura e para a estratégia de integração do negócio, desenvolvendo profissionalmente os colaboradores e melhorando a qualidade do clima de trabalho. Tudo em meio a um cenário que, em 2007, trazia o fortalecimento dos canais de informação sindicais junto aos funcionários de sua empresa e a expectativa e a ansiedade da equipe quanto a recentes mudanças organizacionais (aquisição por um grupo indiano).

Foi então que ela resolveu definir dois modelos distintos para verticalização da comunicação interna, com sentidos descendente e ascendente assegurados e estimulados. No caso do fluxo dos funcionários para as lideranças, foi realizado através do projeto Ciclo do Diálogo – um fórum livre e periódico de debates “face-a-face” com assuntos de interesse coletivo, como registro de dúvidas, insatisfações e sugestões internas. As características principais do canal instaurado são o caráter participativo, colaborativo, auto-representativo e bilateral, tudo registrado em ata e em quadros de avisos com fixação de prazo (45 dias) para respostas porventura não prestadas imediatamente. Estas respostas, se fossem negativas, demandariam também uma ação de explicação e convencimento com geração de uma alternativa.

O Ciclo do Diálogo foi divulgado por banners, revista interna, convites eletrônicos e folder explicativo. Foram mais de 200 fóruns, com levantamento de mais de duas mil questões no primeiro ano, gerando resultados positivos na pesquisa de clima organizacional aplicada em abril de 2008 (53% dos funcionários admitem que a empresa possui uma comunicação aberta e de duas vias). O maior foco dos questionamentos residiu em políticas de RH, tidas como não claras, e em condições gerais de trabalho. “É uma ação importante porque a companhia precisa posicionar-se claramente em todos os pontos levantados. A comunicação direta é nosso principal veículo de comunicação. Preferimos a interlocução do líder com sua equipe, que dá mais credibilidade e permite interação direta e imediata”, acrescenta Eunice. Tanto a possibilidade de venda de uma unidade da empresa como o fechamento efetivo de parte de uma planta, com demissão de 400 pessoas, foram situações recentes de crise tratadas com diálogo e total transparência, únicos recursos creditados pela executiva como salutares para o trato com adversidades.

ANTECEDÊNCIA – Entre os objetivos de comunicação interna do Mc Donald’s estão comunicar com antecedência (equipe informada e capaz de executar orientações) e com clareza (linguagem simples e adequada para cada público) e organizar a informação centralizando o envio (mensagens no tempo certo, com relevância e sem redundância). Na melhor consecução deste caminho, porém, a gerente de Comunicação Interna para a América Latina, Renata Raniro, aponta a insurgência de várias barreiras, como a grande quantidade de informação a ser comunicada aos mais de 500 restaurantes e vários departamentos corporativos demandantes, afora a extensão do público interno e sua diversidade – 34 mil funcionários e outros 280 integrantes da matriz.

As ferramentas aplicadas mudam bastante. Em geral, os VP’s, diretores e consultores são atingidos por email e por cartas pessoais, já os franqueados recebem o boletim eletrônico McValor e para os funcionários corporativos são os pop-ups (automáticos nos computadores) e os emails. Para os gerentes de restaurante, são usados os books de lançamento com novidades de cardápio ou promoções, folhetos de perguntas e respostas sobre processos internos, características dos produtos e dos brindes e promoções, comunicados (organizados em fichários chamados ‘Malotes de Gerentes’) e a campanha “Onde está a Palavra?”, ligada à tentativa de quebrar a resistência à leitura e à aprendizagem de novos termos. Por sua vez, os funcionários de restaurantes são envolvidos pelo projeto “Na Ponta da Língua”, que são livretos com temáticas diversas ligadas ao cotidiano ou a temas internos para o atendente saber conversar com os clientes, o projeto “É gente, Mc Donald’s”, uma rede social interna que desperta talentos artísticos e intercâmbios, afora painéis na sala da equipe.

MUDANÇA – A partir do desmembramento da joint-venture com a Schering-Plough no final de 2006 e do surgimento da Mantecorp como empresa nacional com portfólio de produtos medicamentosos e cosméticos, o primeiro passo da comunicação interna foi divulgar as atribuições do departamento de RH (projetos de qualidade, clima, motivação e sustentabilidade), onde está localizada, para os mais de 1500 funcionários. Entre as ferramentas instauradas, segundo relato da coordenadora Márcia Evangelho, esteve o sistema Fala Você com 0800, email e caixas de sugestão numa espécie de ouvidoria interna, a modernização dos quadros-de-aviso, uma revista e ainda cartões-postais temáticos. Foram criados o programa de reconhecimento Nossa Gente, o programa de Cargos e Salários Intercarreiras e o programa Qualidade de Vida Interatividade, afora a organização de uma convenção nacional de 500 profissionais da força de vendas, onde todas as ações eram apresentadas em quiosques específicos.

Depois, a preocupação era o entendimento da equipe sobre a nova marca. Neste período, para esclarecer sobre o processo de mudança e criar identificação dos colaboradores com a nova empresa, foi refeito o lay-out da revista interna “Entre a Gente”, lançado o programa “Você Sabia” com cartazes trazendo resposta às principais dúvidas sobre a divisão das empresas, o projeto Camarote com sorteio de 160 pares de ingresso para eventos culturais em todo o Brasil (85% dos funcionários estiveram em alguma ação com seus familiares), divulgados numa agenda online dividida por estado e cidade, e ainda o programa Bio Mantecorp sobre consumo consciente e responsabilidade ambiental, ressaltando atitudes engajadas da organização por meio de módulos (água, reciclagem, aquecimento global e desenvolvimento sustentável), de atividades práticas de preservação (coleta de óleo de cozinha, plantação de árvores, substituição de copos de plástico por material durável), da campanha ISO 14001 divulgada num passaporte ambiental. Márcia relata ainda o esforço empreendido para despertar o orgulho das pessoas em fazer parte da equipe, com comunicação ativa de premiações conquistadas, da aquisição de outras empresas ou marcas e também da antecipação de peças de mídia externa.

A atual fase da organização contempla a consolidação da marca, enfocando o conhecimento dos portfólios: de pessoas, de produtos, de cuidados com a saúde, de benefícios e de reconhecimentos obtidos. São lançados produtos em primeira mão para os colaboradores, com mídias exclusivas como encosto de cadeira e papel de bandeja nos refeitórios, sinalização promocional das unidades e adesivos em porta-papel higiênico e nos higienizadores bucais nos banheiros e entrega de brindes e amostras. Está em andamento um processo de intercâmbio de visitação cruzada de colaboradores em seus setores para uma visão mais ampla do negócio.


* Texto especial para o Oras Blog!, com cobertura do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

sábado, 21 de junho de 2008

Workshop sobre brinde

Acontece dia 26/06 o workshop: “É dando que se recebe”, às 19:30, na FAAP, em São Paulo.
Para quem não pôde prestigiar o workshop em Cannes, no último dia 15 de junho, os palestrantes mais uma vez vão focar a força do brinde ou prêmio como ferramenta para diferenciar produtos, atrair consumidores e conquistar fidelização.
O evento contará com : Mentor Muniz Neto (vice-presidente executivo e de criação da Bullet e jurado brasileiro em Cannes) e Alexis Pagliarini, vice-presidente da Ampro e da Impact, que novamente comandará o workshop.
Mais informações pelo site ou pelo telefone (11) 3815-9998.

Planejamento estratégico de comunicação empresarial

Já repararam que as palavras do momento no mundo corporativo são: planejamento e mensuração?
Os gestores devem se preocupar com essas duas ferramentas ao idealizar um projeto, ele deve ser planejado com começo, meio e fim e apresentar quanto vai custar e render. Não há como executar idéias geniais sem esses dois pré-requisitos.
Então, dia 04 tem livro novo de planejamento chegando nas livrarias de outro docente do INPG.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Dicas para saber se seu namorado é geek






Amiga, se você ainda não sacou que a pantufinha com o "monstro do capacete preto", mais a almofadinha do "bichinho verde" é alguma coisa de personagem de fime preferido... a hora que ele colocar a mochila com o "macaco peludo" é a pedida para você jogar no google que raios é Star Wars... hehehe
Eu, adoroooo e sou geek de carteirinha... meu marido também, mas dai imaginar o Roger com seus 1,85 e 100 e poucos kilos nessas pantufas é de rolar de rir.

* Todas do Thinkgeek

Marketing de Guerrilha

Acontece no Rio de Janeiro, nos dias 26 e 27/06, o Seminário Marketing 360º .
Nesse evento, teremos um seminário sobre Marketing de Guerrilha, com os representantes de duas das mais conhecidas agências do segmento. É o buzz marketing ganhando cada vez mais forças.
Mas lembre-se que estratégias como essas devem ser muito bem planejadas.
Clique na imagem para mais informações.

Personagens da nossa infância

O pai da gente deve ter saudades, do zing-pow.. do cinto de inutilidades. lálálá
Quem assistia Globinho e Sítio do Pica-pau Amarelo levanta a mão!
Hoje perdemos o eterno Visconde de Sabugosa. Não dá para assistir a versão nova do sítio sem lembrar dos primeiros atores que deram vida aos personagens.
Acho que agora o Visconde ficará de vez na Canastra da Emília.

Da´- lhe internet

E quem faltava, agora migrou para a internet, mostrando que mais do que nunca o cyberespaço deve ser não só considerado, como mensurado e utilizado com profissionalismo total.
O IBOPE NET/Ratings lançou ma metodologia para coletar informações sobre o comportamento do usuário de redes sociais.
A ferramenta usada para coletar esses dados é o Coleta RS, uma parceria do IBOPE com a Universidade de São Paulo. Esse robô é programado para fazer um apanhado das comunidades do Orkut, com base em instruções dadas pelo Ibope.
Por enquanto, os números envolvem somente a plataforma de rede social Orkut, do Google, e as comunidades dentro dela. Segundo Alexandre Crivelaro, diretor de inovação do IBOPE, a idéia é melhorar a ferramenta gradativamente não só para alcançar outras redes, mas também realizar um trabalho qualitativo.

* Fonte Consumidor Moderno

Blogs ajudam consumidores a formar opinião

Reforçando a minha hipótese na monografia abaixo, o site Consumidor Moderno, publicou o seguinte artigo:
Cerca de 72% dos internautas brasileiros já obtiveram, em blogs, informações que ajudaram a formar opinião sobre uma marca, produto ou serviço. Os dados são de estudo divulgado recentemente pelo Instituto de Pesquisas Qualibest sobre os hábitos e costumes dos internautas brasileiros, no que diz respeito aos blogs.

Entre os entrevistados, 12% acredita totalmente e 86% parcialmente nas informações que encontram em um diário virtual. Além disso, mais da metade apontaram que se lembram de ter visto algum tipo de propaganda em um blog que costumam visitar.

No quesito acesso, 89% confirmaram que entraram pelo menos uma vez em algum blog, e a média de acessos diários é de uma para a maioria dos entrevistados, e de duas ou mais vezes, para 25%. Entre os temas preferidos estão curiosidades (18%), humor (15%), internet (10%), seguidos de notícias e tecnologia em geral (9% cada). Apenas 9% dos entrevistados costumam acessar blogs internacionais.

Os sites de busca (48%) e recomendações de outras pessoas (30%) foram as maneiras mais citadas para se conhecer um blog novo. A leitura do conteúdo é o recurso mais utilizado (86%) sendo que a maioria acredita que fotos e vídeos são os recursos mais importantes em portal do tipo.A pesquisa foi realizada por e-mail com 1820 participantes em todo o Brasil.

Valeu a pena

Obrigada aos amigos blogueiros que me ajudaram respondendo a pesquisa.
Valeu!

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Uma aula com Peter Drucker


Já imaginou que a aula com seu professor de tão boa pudesse virar livro? William Cohen, sim.
Ele teve a sorte de ser aluno do guru da administração, Peter Drucker e transformou esses momentos em livro.
Vale a pena ler.

Keep walking for 100 years

Você sabia que a marca Johnnie Walker faz 100 anos? Sim, senhor. Um século.
O desenho foi criado pelo cartunista Tom Brown no verso de um cardápio numa mesa de bar na Escócia, em 1908.
A proprietária da marca, a Diageo, prepara uma campanha global que pretende ressaltar a capacidade humana de sempre seguir em frente. Inclusive o famoso slogan: keep walking, foi criado em um momento de transformação da empresa, pela inglesa BBDO.
Leia mais sobre o assunto no MM online

Fórum Mundial de Estratégia

Acontecerá dias 05 e 06/08, no Hotel ALfa, o Fórum Mundial de Estratégia, no Hotel Alfa, Transamérica, em São Paulo.
O evento é uma realização da HSM, e segundo seu presidente Marcos de Almeida Braga, a HSM reunirá, pela primeira vez num mesmo evento, os conceitos e a visão dos maiores experts em estratégias da atualidade.
Serão debatidos os temas mais importantes e desafiadores do management na atualidade sobre estratégia corporativa:
  • Vijai Govindarajan falará sobre “As regras para inovadores estratégicos
  • C.K. Prahalad, “O futuro da competição e da estratégia”
  • Michel Porter, por meio de videoconferência, demonstrará “A estratégia e a responsabilidade social”
  • Renée Mauborgne, “A estratégia do Oceano Azul”.
  • Alberto Júlio, ex-presidente da HSM e reconhecido pelo jornal Gazeta Mercantil e pelas revistas Veja e Exame como um dos melhores palestrantes brasileiros, enfoca “A magia dos grandes estrategistas”

    * Fonte Prop&Mark

100 anos da imigração japonesa


Sim, eu sei, esse post está atrasado. Foi ontem o centenário oficial da imigração japonesa. De quase tudo que vi em anúncios, gostei da logo do Google, e claro do eterno garoto bombril, como gueixa.
Na TV, gostei do institucional que o Banco do Brasil fez. Mas li que quase todos os bancos usaram a linguagem emocional para resgatar a história nipo-brasileira.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Gestão eficaz da equipe de vendas




O INPG convida você para o lançamento do livro do nosso prof Marcos Carvalho. Clique na imagem para maiores informações.
O lançamento será dia 24 de junho.


Água Schin e a moda


Muito criativos esses dois anúncios que a Lew Lara\TBWA criou para a Água Mineral Schincariol. Esses anúncios serão veiculados nas edições de 17 e 23 de junho do Jornal do São Paulo Fashion Week, evento patrocinado pela marca.
Gostei!

* Fonte Portal da Propaganda

A terceira mídia

Esse livro foi lançado ontem na livraria Siciliano. Nesse livro, o autor Henry James Salomon fala do mundo dos brindes no Brasil e traz curiosidades sobre a indústria que potencializa as marcas, melhora os relacionamentos e tem o poder de aumentar as vendas de um produto.

* Fonte Portal da Propaganda

Métricas para a web

Acontece amanhã, 19 /06, a Oficina executiva Métricas e indicadores de resultados em projetos web.
O evento é uma realização da Jump Education e Fred Pacheco, gerente de business intelligence (BI) da Predicta ministrará a palestra: Análise de métricas para publicidade on-line.
O evento traz ainda palestras de:
  • Pedro Venturini, especialista em negócios digitais,
  • Carlos Mihara, gerente de marketing da Webmotors,
  • Robson Dias Ortiz, coordenador de marketing e-business do Banco HSBC


    * Fonte Portal da Propaganda

As dicas de ouro da comunicação atual

Nick Moore, vp executivo e chief creative officer, em sua palestra em Cannes 2008, fez essa lista que eu chamei de ouro, para profissionais que desejam desenvolver grandes idéias que ganhem destaque no novo cenário da comunicaçao.

1) Ouça o seu consumidor - mais do que perpetuar antigas fórmulas de pesquisa, existem novas tecnologias a disposição para monitorar blogs, promover CGC (consumer generated content), testar campanhas online e promover mudanças em função do resultado, etc.

(2) Integre-se e lidere as conversas - tenha um propósito, mais do que um slogan, e com isso você terá o que dizer.

(3) Torne-se um tema das conversas - conte uma história e meça o efeito, não pelo volume de views no YouTube (afinal, o que sao 500.000 views comparadas com a audiência de um comercial passado no horário nobre), mas sim pela presença da marca nos sites de recomendação como epinion.com, viewpoints.com e etc.

(4) Abra mão do controle - deixe o consumidor participar. Temos a obrigação de desenvolver idéias que sejam tão fortes que mesmo quando elas ganham a interferência do consumidor continuam sendo nossas.

(5) - Crie muitas conversas - para dizer coisas diferentes para pessoas diferentes, é preciso gerar cada vez mais conteúdo e tornar disponível nas 3 telas.

* Fonte Blue Bus

Financial Web

Dia 20 de junho, a IT Mídia promove um café da manhã para profissionais de comunicação e assessoria de imprensa para promover mais uma vez o Financial Web.

* Fonte Portal da Propaganda

Digitologistas

Já tem nomenclatura nova para designar os profissionais que estudam e mapeam o mundo digital.
Na palestra Digitology - The Revelations, no festival da propaganda em Cannes, o assunto foi abordado pela empresa Profero e a mensagem é que hoje a internet já é veículo de massa.
Por isso, os digitologistas precisam deixar de pensar apenas nos nativos digitais, que usam o mundo digital em busca de auto-expressão, mas aprender a lidar com a massa de consumidores. E entenda-se por consumidores aqueles que estão usando a internet com o objetivo de pesquisar sobre viagem/notícias, ou simplesmente customizam sua programação de rádio.

* Fonte Blue Bus

terça-feira, 17 de junho de 2008

Construindo a ponte entre o marketing e tecnologia


Esse é o evento que o grupo Pepers& Rogers traz para São Paulo de 27 à 29 de agosto.
Clique no link para saber mais.

Se o seu cachorro falasse

Mais uma pérola do Desencannes.

Manual do boca a boca

O blog Comgurus, disponibiliza o livro Manual do Boca a boca, volume II, para download.
Está em inglês, mas você arranha um pouco, não?
Clique aqui para baixar.

RP Online

A UFMG, de Minas Gerais, traz essa revista eletrônica, com tudo sobre RP e comunicação.
Clique aqui, vale a visita.

* Dica de Wallace Ischaber

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Planejamento Estratégico

Dia 04/07, será lançado esse livro sobre Planejamento Estratégico. Clique na figura para maiores informações.

* Dica de Rodrigo Cogo

Festa do Baú 2


Minha turma da adolescência, para lá de animada, agita a segunda festa do Baú.
Old times. Muito bom

domingo, 15 de junho de 2008

Noite da Solidariedade

Dia 02 de agosto acontece em Araraquara a Noite da Solidariedade, uma realização do Comitê Ação da Cidadania. Participe. Clique na figura para mais informações.

Sustentabilidade

A Sabesp organiza esse evento gratuito sobre ssustentabilidade. Clique na figura para maiores nformações.

* Dica de Rodrigo Cogo

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Novos cursos INPG Araraquara

MBA:
Gerenciamento de Marketing
Gestão Empresarial
Finanças & Controladoria
Executivo em gestão Estratégica de Tecnologia da Informação

ADMINISTRAÇÃO:
Gestão Estratégicas de pessoas
Mercado de capitais
Gerência em Projetos de Tecnologia da Informação

DIREITO:
Direito Civil e Processo Civil
Direito Tributário
Direito Empresarial

* Fale conosco no telefone (16) 3331-2323 ou pelo email: araraquara@inpg.com.br

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Chafurdando na lama

Eu já tinha visto fobia de tudo quanto é jeito, ou quase tudo. Essa porquinha inglesa, tinha medo de chafurdar na lama, até que seus donos tiveram a idéia de colocar botinha de galocha nela.. rs
Que fofa.

Pesquisas eleitorais

Acontece dia 1º de julho, o 2º Workshop - Publicação de pesquisas eleitorais, em São Paulo, dirigido exclusivamente a jornalistas.
O evento é uma realização da ABEP (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa) e visa auxíliar o trabalho dos profissionais envolvidos na cobertura dos processos eleitorais, desde a interpretação correta de resultados e intervalo de confiança, até metodologias, tipos diferentes de pesquisa, meios de coleta de dados, tipos de questionários etc.

* Fonte Portal da Propaganda

Mapa das marcas

Muito útil esse infográfico que eu vi no blog Comgurus. Muitos gestores de branding e marketing deveriam deixar como papel de parede no seu computador.
Fica a dica.

Pare!

Esse anúncio impactante foi criado pela agência de publicidade Capital Advertising da Índia.É um anúncio institucional contra o aborto de meninas.
Naquele país, apesar dos esforços do governo contra a discriminação das mulheres, muitas mulheres provocam o aborto ao descobrir, nos exames de ultrassonografia, que o feto é do sexo feminino. mesmo com a proibição por lei desde 1994.
Segundo, uma pesquisa da revista médica "The Lancet" diz que a cada ano são registrados 500 mil abortos de meninas na Índia. Parte da sociedade indiana ainda se apega a antigos valores culturais e considera imprescindível ter um filho homem, que garanta a continuidade da linhagem, os ganhos econômicos e cuide dos idosos.

* Fonte blog Nova S/B

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Tratado da gordura, por Woody Allen

Só mesmo Woody para ligar filosofia e a um texto inteligente e provocar risos. No livro, Fora de órbita ele faz um semi tratado sobre a gordura: "A gordura propriamente dita é uma substância ou a essência de uma susbstância ou um modo de tal essência.O grande problema tem início quando ela se acumula nos quadris. Entre os pré-socráticos, foi Zenão quem preconizou que o peso era uma ilusão, e que, por mais que um homem comesse, ele sempre engordaria apenas a metade do que engorda um homem que nunca fez flexões de braço. .. numa peça perdida de Ésquilo, Clitemnestra quebra seu juramento de nunca mais fazer boquinhas entre as refeições e arranca os olhos quando se dá conta de que não cabe mais em seus trajes de banho.
Foi necessária a mente de Aristóteles para assentar o problema do peso em termos científicos. Num fragmento inicial da Ética, ele afirma que a circunferência de qualquer homem é igual a medida da sua cintura multiplicada por pi.
Como se sabe durante séculos , Roma encarou o Sanduiche quente e aberto de peru, como o máximo da libertinagem. Vários sanduiches foram obrigados a ficar fechado e só reabriram depois da Reforma. Pinturas religiosas do século XIV foram as primeiras a retratar cenas de condenação eterna em que pessoas com excesso de peso vagavam pelo inferno, condenadas a saladas e iogurtes. Os espanhóis foram especialmente cruéis: durante a Inquisição, um homem podia ser levado à pena de morte por rechear um abacate com carne de siri.
Nenhum filósofo chegou perto de solucionar o problema da culpa e do peso até que Descartes separou mente e corpo, de tal modo que o corpo podia se empanturrar à vontade, enquanto a mente pensava: " E dai?, não sou eu"...


Fantástico. Dei altas gargalhadas lendo os capítulos.

Coreldraw GLS

Mais uma pérola do Desencannes. Via Desenblogue

Embalagens

Outro dia na Criaticidade, levantaram a questão das embalagens e as dificuldades que temos com algumas delas. Realmente é de lascar.
Vivemos em um momento em que as áreas de gestão de produto, design e marketing, convivem e planejam em plena sintonia em algumas empresas. Infelizmente, poucas.
É um prazer para nós consumidores, comprarmos um produto e descobrir com surpresa que o saquinho pode ser fechado a vácuo, que o tubo da pasta de dente é mais felixível e utilizável até o fim. Até o azeite, já pensaram em uma maneira inteligente para evitar desperdício e lambuzas.
Ainda há muito que se pensar e valorizar a embalagem como parte estratégica do produto. Um deles é o enxaguante bucal. Tente abrir a tampa de um, além de não conseguir, você tem que fazer uma força descomunal e as estrias da tampa ainda machucam a mão. Tsc.
Que venha com força total a era das embalagens inteligentes.

Assessoria de imprensa para o mercado editorial.

Acontece de 17 a 19/06, o curso: Assessoria de imprensa para o mercado editorial. O curso é uma realização da Universidade do Livro, vinculada à Fundação Editora da Unesp.
O objetivo é fornecer a base para a compreensão do papel da assessoria na divulgação de produtos editoriais junto à imprensa geral e especializada.
Serão abordadas:
  • as diferentes características de cada mídia,
  • as dificuldades e as ferramentas para obtenção de resultados positivos.
  • a formação da opinião pública,
  • o produto editorial como objeto de divulgação
  • as relações entre linguagem publicitária e linguagem jornalística.

Na ocasião, será apresentada e aprofundada a concepção de assessoria de imprensa como mediadora da relação com a mídia (e os diferentes canais). As aulas serão ministradas por Katia Saisi, jornalista com mais de 20 anos de experiência em comunicação e imprensa em empresas públicas e privadas.

Serviço:
Assessoria de imprensa para o mercado editorial
Data: 17 a 19/06
horário: das 18h30 às 21h30
Local: sede da Universidade do Livro - Praça da Sé, 108, Centro – São Paulo, SP -
Iinvestimento R$ 300. Sócios e estudantes pagam R$ 240.
Informações sobre reservas e inscrições podem ser obtidas pelo email: universidadedolivro@editora.unesp.br ou no telefone 11-3242.9555.

O programa completo está disponível no site no link para Universidade do Livro.

Congresso Nacional de Design de interiores

Acontece de hoje à 13/06, em São Paulo, a 6ª edição do Conad (Congresso nacional de design de interiores), promovido pela Associação brasileira de designers de interiores (ABD).
O evento é o maior da categoria realizado na América Latina e terá como mote o tema “Refletir e crescer”. Especialistas das áreas de marketing, direito do consumidor, filosofia, RH, economia, arquitetura e design de interiores discutirão sobre a profissão de design de interiores, por meio de
palestras, painéis e salas especiais.
Luciano Deos, diretor e presidente do GAD’, ministrará a palestra: Qual o papel da arquitetura numa consultoria de Branding & Design, no dia 12 de junho, quinta-feira, às 16:40.

* Fonte Portal da Propaganda

Comunicação face-a-face e gerências ganham espaço

* Rodrigo Cogo

Cerca de 80% das empresas norte-americanas falham ao comunicar grandes mudanças aos funcionários por erro na escolha de premissas das mensagens. Nada melhor então que saber as razões de falhas e acertos, com a experiência de grandes corporações, e adequar a outras realidades. As estratégias face-a-face, e sobretudo aquelas lideradas pelas gerências, são as melhores opções na comunicação contemporânea. Esta foi a proposta da edição “Comunicação Interna na Gestao de Mudanças Organizacionais” dentro do programa Cursos Avançados Internacionais da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial , desenvolvida pelo consultor TJ Larkin no dia 6 de junho de 2008, no Mercure Jardins em São Paulo/SP, para 40 profissionais de todo o país.

A difusão de inovações tem sido uma das atribuições mais visíveis e atuais da Comunicação Social, porém não se observam discussões mais intensas sobre esse assunto. Uma das obras referenciais é o estudo do sociólogo norte-americano Everett Rogers, “Diffusion of Innovations”. Deste autor partiu o primeiro exemplo no curso de Larkin: um estudo em comunidades de país africano sobre adoção de mudanças de comportamento para a saúde, como ferver água antes de beber, em que palestras gerais obtinham uma adesão efetiva de no máximo 10% dos moradores. Ao promover a comunicação de conscientização por meio de um líder sênior da própria localidade, abordado prévia e separadamente com instrução e conversações, a influência sobre a comunidade alcançou 80% dos presentes. Daí que Larkin, que é Phd em Comunicação pela Michigan State University, dá início ao seu processo de esclarecimento sobre as descobertas e novas práticas no cotidiano empresarial de países desenvolvidos, em que os gerentes médios são sempre os mais confiáveis para transmissão de informações, constatação corroborada por pesquisas em diversas nações, como no Reino Unido (50% de confiabilidade), e mesmo em corporações transnacionais, como a GM (78% de preferência sobre as gerências). Nem os sindicatos obtêm melhor repercussão.

Autor de “Communication Change”, best-seller da McGraw Hill Bookstore, o palestrante já desenvolveu programas de comunicação interna para empresas como ABB, AT&T, Bank of America, Boeing, ExxonMobil, NASA, GM e PricewaterhouseCoopers. Veio pela terceira vez ao Brasil à convite da ABERJE. Ele relata também um estudo sobre os discursos de CEO’s, que são pouco críveis para as equipes. Em organizações como Heinz, Lloyds e General Eletric, a atenção média da platéia não excede dois minutos, chegando no máximo a três minutos. O jornal da companhia é outro instrumento que vem sendo questionado em sua eficácia, por não causar o impacto desejado com as pautas mostradas e as reações que seriam desejáveis.

Pesquisa sobre o que determinou mudanças positivas no trabalho, com melhor rendimento, apontou que 70% das pessoas atribuem à melhora da comunicação com seus supervisores imediatos, ficando apenas 2% com comunicados de CEO’s ou informações obtidas nos jornais internos. O consultor falou de uma campanha da GM para evitar retorno de carros à linha de produção por ocorrência de pequenos riscos na pintura, derivados do uso de relógios, anéis e cinturões country pelos funcionários. Foram produzidos protetores para os acessórios, cuja adesão ao uso demorou cerca de duas semanas, porque foi utilizada a intermediação de gerentes que apareceram equipados com os novos utensílios e foram explicando paulatinamente às abordagens dos colegas, ganhando adeptos. Como rumores são sempre muito piores que a realidade, mas influenciam muito no comportamento funcional, precisam ser bem gerenciados. Como os executivos seniores não têm credibilidade interna, Larkin incentiva encontrar os verdadeiros líderes, normalmente situados na gerência média. “O expert em comunicação em cada ponto é o funcionário que entende os processos”, aconselha.

CANAIS – No processo de transmissão de informação ou de estímulo ao diálogo, os canais precisam ser utilizados naquilo que oferecem como vantagem: a web é curta e rápida, e o papel é longo, para temas mais complicados e adequado às novidades, que precisam de raciocínio. A velocidade de leitura e o nível de compreensão são bem maiores no papel, mas se o texto for mais adequado e acrescido de imagens, fotos, vídeos tende a dobrar a retenção na web - imagens melhoram 30%, gráficos ajudam mais 43% e o design de interface auxilia em 107%. O que tem a internet de singular é o hipertexto e a possibilidade de navegação ampla com novas interconexões, porém com forte tendência a perder foco e causar confusão na progressão da linha de pensamento. “Quando se vê algo longo e complicado, a tendência é desejar sempre imprimir”, lembra ele.

O cérebro humano seria projetado para busca e pesquisa, desde os primórdios coletadores e caçadores, o que predispõe o homem positivamente para a web e sua forma de estocagem. Mas 75% dos internautas, numa pesquisa norte-americana, não recordam quais foram as últimas três páginas visitadas, porque muitas vezes somente se está rastreando dados sem nenhum aprofundamento, fixação de conteúdo ou pensamento. No papel, a compreensão e o entendimento são guiados pelo autor do conteúdo, deixa-se para ele normatizar o conhecimento pretendido. O papel confere uma sensação de quietude e tranqüilidade e desperta uma capacidade de absorção superior que canais web. Manual técnico e mudança de valores corporativos são exemplos de temas típicos para o papel, na opinião de Larkin, por sua complexidade de compreensão.

Nesta linha de revisão dos instrumentos de comunicação interna, Larkin cita uma auditoria em banco australiano, em que retiraram de veiculação e circulação várias ferramentas, para identificar quantos dos 40 mil funcionários iria perguntar: o vídeo-jornal foi reclamado por apenas quatro pessoas; um jornal impresso por apenas 36 pessoas e vários canais não tiveram nenhuma requisitação de paradeiro. O maior retorno foi com um report de recursos humanos, onde informações sobre férias, promoções e transferências eram repassadas, com mais de 2.100 pedidos. “Estamos alocando recursos em locais errados, onde as pessoas não estão buscando sanar suas necessidades”, avalia.

Já encontros face-a-face são recomendados na ocorrência de controvérsias, em que as conversações e negociações devam ser imediatas, diretas e claras. A rede interpessoal é a forma mais adequada, porque poderosa e rápida, de disseminar informações entre funcionários, mas elas devem ter alta demanda e impacto para realmente serem espalhadas. A instauração de um bom nível de conversação, com alta possibilidade de persuasão, é o caminho efetivo para construir mudanças. Os comunicadores precisam preparar a comunicação e equipar os gerentes com o repasse de dados e impressões. Não se perde a etapa dos canais e instrumentos, que ainda existe e é necessária, mas não se extingue neles a contribuição do comunicador. “Face-a-face significa muito, aproxima as pessoas, cria um elo de identificação. Precisamos ver que comunicação é entre pessoas”, complementa o professor.


* Texto parcial e especial para o Oras Blog!, com cobertura do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674 - Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

terça-feira, 10 de junho de 2008

Mobile Marketing

Acontece amanhã, 11/06, em Nova York o painel com o CEO da Hanzo e chairman da Mobile Marketing Association (MMA) na América Latina, Federico Pisani Massamormile: Campanhas de mobile marketing gerenciadas em plataforma on-line.
O painel será apresentado durante o Mobile Marketing Fórum 2008. e na ocasião, Massamormile mostrará como as rádios brasileiras estão utilizando campanhas de mobile marketing e aumentando significativamente a interatividade com os ouvintes.

* Fonte Portal da Propaganda

Moda e produto

Mais uma vez a Miolo investe em representantes culturais para lançar edições. Depois de Romero Brito, agora é a vez do estilista Ronaldo Fraga assinar a linha inverno.
A campanha de inverno da Miolo foi criada pela Competence e veiculará em revistas nacionais especializadas, no jornal Estadão e na revista de bordo da Gol.
A campanha também terá comerciais que serão exibidos nos meses de junho e julho nos cinemas de Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e Recife.

* Fonte Portal da Propaganda

Comer com os olhos


A criação dessa campanha da NBS para a marca de roupas Eskala, mostra como usar o bom gosto para representar a luxúria no dia dos namorados. A dupla de criação (arte e redação), está de parabéns. Gostei.

* Fonte Portal da Propaganda

Até tú, Donald?

Até o Pato Donald, resolveu tirar as penas para aparecer, afinal a perda da inocência chegou até aos estúdios Disney. ;D

* A charge é de Daniel Ades, vi no Papel Pop. Demais né? hehehee

Conectividade é o melhor conceito no mercado


* Rodrigo Cogo
O lançamento do Comitê ABERJE de Desenvolvimento Profissional já garantiu, além de muitas reflexões sobre as decisões de carreira de cada participante, um aprendizado coletivo importante: estamos na era da conectividade e esta capacidade de integrar-se a redes de relacionamento e influência praticamente assegura aceitação dos contratantes. O evento, organizado somente para membros da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, aconteceu no dia 05 de junho de 2008 na Casa do Saber em São Paulo/SP e levou para depoimentos o headhunter Simon Franco e o executivo de Comunicação Sidnei Basile.
O coordenador do novo espaço de debates, Gilberto Galan, comenta que a crescente complexidade das atribuições dos comunicadores requer contínuo aperfeiçoamento, não somente técnico mas sobremaneira humanístico, para conseguir gerir prazos curtos, orçamentos estreitos, enxugamento de equipes, fusões e aquisições com alteração de chefia e outros agentes sociais intervenientes no trabalho, como grupos populares, sindicatos e minorias. O Comitê pretende servir como uma janela de oportunidade para discussão de realidades e tendências, sempre contando com um headhunter e consultores de RH de um lado, e a visão de profissionais seniores de outro.
Sob o título “O Novo Gestor – Atitudes e Oportunidades”, Simon Franco iniciou sua apresentação com uma sentença: mesmo que se diga que o planejamento é fundamental para tomada de decisões acertadas, hoje está comprovado que mudanças de carreira são determinadas por dinâmicas de mercado alheias a análises de cenário prévias. A equação na área sofreu uma leve transformação – afora o saber (conhecimento) e o saber fazer (experiência), agora o que é relevante é o saber ser. Sobre isto, ele explica que os desafios mudam, o nível de diálogo e o contexto também, mas permanece o fato de que continuam sendo pessoas trabalhando pra pessoas, e portanto a valorização do ser humano está em alta. Franco é graduado em Administração de Empresas pela PUC/SP e possui extensão acadêmica em Literatura Inglesa pela Universidade de Oxford da Inglaterra. Foi colunista da revista Exame entre 2000 e 2004. É presidente da Simon Franco Recursos Humanos . Escreveu “Criando o próprio futuro – o mercado de trabalho na era da competitividade total” e “O profissionauta – você no mercado de trabalho do século XXI”, ambos pela Editora Futura/Siciliano.
Para o consultor, os ativos de diferenciação no mercado historicamente vinham sendo controlados pelo empregador. Até os anos 50, a ênfase era a inovação; entre 50 e 70, veio a capacidade financeira; de 70 para 80, o diferencial foi a diversificação de atuação; chegando aos anos 80 e 90 com a supremacia da qualidade e aos anos 90 e 2000 com o destaque para a fidelização do consumidor. Só a partir do ano 2000 que muda o prisma, e o diferencial no mercado é o talento, daí gerido pelo empregado, em suas decisões individuais. “O que é preciso é a capacidade de pensar, dentro de um padrão próprio de energia física e mental suficientes para os desafios. O inusitado cada vez mais vai estar presente em nossa vida, porque muito não cabe nos manuais”, esclarece.
A mudança de paradigma enfrentada agora envolve duas economias: a passada, com funcionários assalariados, leais às empresas, centrados na aprendizagem individual em condições de trabalho rígidas, com avaliação de desempenho imposta e remunerado por tempo; para a atual, com investidores que participam dos lucros, têm lealdade com suas convicções dentro da estratégia de trabalho conjunto, acreditam na aprendizagem coletiva e em condições de trabalho flexíveis, para que sua auto-gestão garanta uma remuneração por resultado. O sucesso está na interdependência, e o engajamento é bom enquanto for produtivo para todos.

* Texto especial para o Oras Blog!, com conteúdo parcial do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674 - Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Comunicação de riscos

A Associação Brasileira de Comunicação Empresarial promove no dia 27/6, das 9h às 18h, na sede da entidade em São Paulo, um curso inédito sobre comunicação de riscos: ''Comunicação de riscos como vantagem competitiva: o papel e a responsabilidade das empresas e instituições''
O evento mostra como esse tipo de estratégia pode minimizar danos à marca; os objetivos deste programa é identificar as situações onde se deve enfatizar ou desmistificar um risco através da comunicação adequada.
O módulo é voltado aos profissionais de comunicação que atuem em setores que ofereçam produtos e serviços com um risco percebido ou real para seus clientes e usuários.
A aula será ministrada por Eduardo Prestes, conferencista na área de Crisis Management e que desenvolve um trabalho de pesquisa aplicada na área de Comunicação de Risco.
O investimento para associados da Aberje é de R$ 600. Não associados pagam R$ 830.Mais informações, cursos@aberje.com.br ou 11-3662.3990

2º Fórum Internacional de Marketing,

Senac São Paulo realiza em 17/6, das 8h às 18h, o 2º Fórum Internacional de Marketing, com o tema Marketing Experience. O objetivo do evento é promover um debate entre profissionais de destaque do cenário nacional e internacional sobre estratégias que tornam a compra um momento inesquecível.O doutor em marketing, Thomas Brashear, abre o fórum com a palestra “A Importância da Integração Entre Fabricantes e Varejistas na Experiência de Compra do Consumidor”.
Outros profissionais que integram as atividades são:
Marcelo G. Chanis - Carrefour
Salvador Parisi - Oakley América do Sul
Francisco Alvarez - professor doutor da USP, ex-Lacoste e ex-Philips

Serviço:
O 2º Fórum Internacional de Marketing
Local: auditório do Centro Universitário Senac – Campus Santo Amaro, em São Paulo.
O investimento é de R$ 460 para o público em geral, R$ 276 para estudantes e R$ 230 para alunos do Senac e associados Amcham.
As informações sobre as inscrições podem ser obtidas no site www.sp.senac.br ou pelo 0800 883 2000.

domingo, 8 de junho de 2008

Mundo de mudanças pede mais experienciação


* Rodrigo Cogo

O professor de International Business da Columbia Business School, de New York (EUA), e diretor do Centro sobre Liderança da Marca na instituição, Bernd Schmitt, foi palestrante do 24. Congresso de Gestão e Feira Internacional de Supermercados da Associação Paulista de Supermercados/APAS , entre 26 e 29 de maio de 2008 nos pavilhões do Expo Center Norte em São Paulo/SP. Para ele, a comunicação publicitária, o merchandising e o design das lojas têm sido muito iguais, e por isto seu livro “Big Think Strategy” busca exatamente propor novos caminhos para atração do cidadão-consumidor. Para exemplificar quem não está restrito aos procedimentos já testados, e por isto mesmo menos impactantes e memoráveis, Schmitt citou o caso do IPOD, que sequer foi uma idéia original porque já existiam suportes semelhantes. A diferença está na proposição de tornar o aparelho um produto de moda para consumo de massa, com comunicação atrativa e lojas de experienciação. Os pontos-de-venda Apple são chamados ‘Geniu’s Bar’, valorizando suas equipes e estendendo ao usuário o status diferenciado. “Em geral, não temos considerado como os consumidores vêem nossos produtos e nossas operações. Aliás, o nome consumidor já não serve mais, porque são pessoas e as vidas delas”, pontua.
Schmitt, que também é co-fundador e CEO do The Ex Group, lembrou o caso da Cingapura Airlines, cujos assentos dos aviões desde 1996 têm seus próprios monitores com mais de 500 canais, inclusive na classe econômica. Muito mais que transporte, “é oferecer uma experiência orientada para pessoas”. O carro Mini também é singular: nas feiras, ao invés de holofotes, som alto e mulheres, eles penduram os carros no teto e, ao contrário da distribuição convencional de brochuras e revistas técnicas, entregam revistas de bem-estar e estilo de vida. O Commerce Bank é outro bom caso, simplesmente por abrir todos os dias da semana e sempre até às 21h.
PARADIGMA – O especialista explica as bases de seu paradigma experiencial, abrangendo foco no cliente como pessoa, foco no uso dos produtos, ambigüidade da razão e emoção dos clientes, importância da relevância (funcionalidade, conveniência, personalização), e destaca que a experiência afeta a escolha de compra. Ele formulou o que chama de ‘módulos experienciais estratégicos’, composto por sensações que precisam ser despertadas e articuladas no ponto-de-venda: perceber, sentir, pensar, agir e relacionar. Como provedores de experiência, cita o produto, a embalagem, a loja, a propaganda, a equipe de vendas, os eventos, os folhetos, as promoções, a internet. O desafio é fazer todos falarem no mesmo sentido. “As experiências holísticas, que abrangem todos os módulos, são as mais eficientes”, alerta.
A estrutura do trabalho proposto pelo consultor envolve uma plataforma que inicia pela análise do mundo experiencial do cliente e passa pela oferta de conteúdos relevantes e instigantes. As cidades grandes, por suas características como múltipla oferta de entretenimento, grandes deslocamentos, poluição e stress pela violência, estariam absorvendo muita energia e tornando as pessoas estafadas, irritadas e impacientes. E seria nestas condições que as compras vêm acontecendo, o que demonstra a importância de trazer outras experiências para revitalizar percepções, quando ganham espaço a amplificação das possibilidades de fruição cultural e a comunicação móvel.
MUDANÇAS - Michael Sansolo, formado em Ciências Políticas, Economia e Jornalismo, falou na seqüência sobre os desafios de uma era de tanta instabilidade. Três palavras, na opinião dele, seriam essenciais para compreender o mundo contemporâneo – a mudança, a complexidade e a contradição. “Mas lembrem, consumidor não quer dor-de-cabeça, isto tudo tem que ser resolvido pelos lojistas”, assinala.
Um panorama político-econômico internacional configura-se de maneira preocupante, diante da escassez e alto preço da energia, da escassez de alimentos e do crescimento da inflação e da recessão. Este pano-de-fundo exige o debate de valores que façam interagir diferentes dimensões da vida: família, tempo, dinheiro e necessidades pessoais. Ele detecta que há uma forte revisão de valores diante de novas configurações familiares, não só em tamanho mas também em composição, tempo de convivência e qualidade de interação, assim como nos EUA e na Espanha a grande preocupação é a obesidade. O assunto segurança alimentar, no sentido da procedência de produtos e sua ação na saúde, é prioritário nos países desenvolvidos. São fatores que vão interferir diretamente nos negócios. “Este paradoxo de morar num mundo em que uns morrem de fome e outros comem demais é a essência de nosso tempo”, sentencia. No site www.ccrrc.org, há estudos de valores humanos nas compras que auxiliam na compreensão dos postulados de Sansolo.
Uma das saídas apontadas no final da apresentação é interagir através das redes sociais, que expandem a visão de mundo, permitem falar com pessoas diferentes e nos afastam da mesmice. “Só assim compreenderemos esta diversidade e este novo cenário onde só a verdade absoluta é valorizada”, acredita.

* Texto especial para o Oras Blog!, com cobertura do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas

sábado, 7 de junho de 2008

Felicidade alheia

Já ouviram a expressão vergonha alheia, né? eu sinto uma felicidade alheia, por umas pessoas que nem conheço.
No caminho para minha manicure, tem uma casinha em um terreno cheio de mato e meio em declive. É uma casa de um cômodo só. Bem.. era. Tenho passado lá por anos e vi que estão aumentando os cômodos, já fizeram mais um, carpiram o mato em volta.
A casa é simples, só de tijolo, sem reboque ou pintura. Sei que tem bebê, pois vejo as roupinhas penduradas no varal. Hoje quando passei lá, senti felicidade por essas pessoas que nem conheço, pois percebi que a vidinha deles está indo para frente. Muito bacana.
Obrigada por esse dia, Deus!

Um brinde à amizade



Eu quero é ter um milhão de amigos... mas poder contar com essa turminha ai. Amigas de infância que com um telefonema me fazem voltar no tempo, dar altas gargalhadas e saber que passei por aqui sendo sempre feliz.
Amigas, que fizeram planos juntas, viveram alegrias e tristezas juntas e tem sempre, mas sempre uma mão amiga para a outra. Nossa sintonia é tão fina, que quando uma pensa a outra liga.
A melhor frase que define a nossa amizade é da Mer: "o único lado triste de estar nos 40, é saber que sua melhor amiga, não mora mais do outro lado da rua".
Amo vocês meninas. Minhas amigas-irmãs
:*

Ponto-de-venda é cenário de pesquisas continuadas

* Rodrigo Cogo
As estratégias de atração e persuasão dos consumidores dentro do ponto-de-venda são resultado de intensos mecanismos de pesquisa de fluxo e interação das pessoas nas gôndolas, prateleiras e mostruários. Sua adesão a determinados apelos, não só tecnológicos, formata regras que são executadas em diferentes locais. Todo este panorama por vezes se contradiz com a necessidade de instaurar preceitos de consumo consciente, dentro dos apelos sociais das campanhas no setor. Este desafio foi um dos pontos mostrados durante o 24. Congresso de Gestão e Feira Internacional de Supermercados da Associação Paulista de Supermercados/APAS no final de maio de 2008 em São Paulo/SP, que teve como tema a “Sustentabilidade”.
Chan Min, presidente da Popai Brasil (The Global Association for Marketing at Retail), levou as tendências em PDV para espanto da platéia. Vindo desta associação sem fins lucrativos para o desenvolvimento do merchandising no ponto-de-venda em mais de 25 países, ele iniciou destacando que há menos tempo para as compras familiares, que por sua objetividade acabam retirando o prazer que vinha sendo cultivado: de uma média de 1h09min em 1998 passou para 42min em 2004 somente nos supermercados, com uma queda ligeiramente menor nos hipermercados. Entre os consumidores que dizem passar somente pela sessão planejada está 44% das pessoas. Os mercadinhos de bairro ganham 16 visitas por mês do mesmo cliente, com média de 6 min de permanência, sendo que as padarias recebem 21 visitas/mês com o mesmo tempo individual. Já as farmácias não demarcam visitação coordenada, mas 78% delas retêm clientes no máximo entre 5 e 7 min. Isto dificulta ainda mais o trabalho dos estrategistas. “Precisamos quebrar a barreira do tempo, facilitando e dinamizando a compra”, sugere.
A diferenciação pelo design, com novas formas e cores, e displays simulando produtos em tamanho gigante, com imagens tendo foco no bem-estar são algumas das forças empregadas. A iluminação, sob o ponto-de-vista da economia e dos detalhes com uso de mini-lâmpadas (leds) em espaços pequenos e inusitados, traz novas possibilidades. O emprego da tecnologia nos exemplos do palestrante é evidente: quiosques interativos para baixar músicas para o celular via Bluetooth e com audição de som somente embaixo da estrutura; balcões com mostradores ligados a um monitor transmitem informação ilustrada e imediata nas telas no momento em que o produto é levantado; disparadores de aromas com alta sintonia de dosagem e diluição; uma esteira vertical jorrando água que faz desenhos e logomarcas; projeções inteligentes no chão que recuam mediante a pisada das pessoas mostrando novas imagens.
REFRESCA – O gerente de Trade da Kraft Jaime Calleya, o gerente de merchandising e identidade visual corporativa do Carrefour Rogério Barreto e o presidente da agência Promovisão Romano Pansera mostraram o planejamento e execução do projeto “Refresca Mundi”, um cenário instigante reordenando a disposição de bebidas (refrigerantes, água mineral e sucos) para potencialização de vendas. Barreto comenta que tudo parte de um liame cíclico: o canal (analisando o comportamento de compra e o potencial comercial), a agência (articulando design, funcionalidade, simplicidade e exploração sensorial nas propostas) e a indústria fabricante (trazendo conhecimento do mercado, do produto e do shopper). Calleya reitera que a movimentação de inteligência para criar novos ambientes nos PDV’s decorre do fato de que lojas de conveniência, drugstores e lojas especializadas (chocolate, vinho, café, por exemplo) não existiam há 10 anos. A nova concorrência pede a reinvenção dos supermercados, em esforço conjunto. “Cerca de 30% dos consumidores chegam a visitar mais de dois PDVs por dia, com uma média de 18 pontos diferentes por mês”, informa ele para confirmar a diluição de atenção, justificando a necessidade de estimular a atratividade e o encanto dos supermercados como centros de convergência de compra.
Entre as aprendizagens das pesquisas, estão constatações como o fato de cheiro de chocolate ou de pão pulverizados no PDV levarem a uma compra 30% maior nestes produtos. As bebidas, presentes em 95% dos lares brasileiros, são forte atrativo porque significam sensações diversas de nutrição, hidratação, refrescância, vida natural e celebração. A interação sensorial com cheiros, música, produtos acessíveis ao manuseio, telas planas com VT’s e imagens variadas atinentes ao universo da marca ajuda bastante. O projeto Refresca levou ao estudo e desenvolvimento de um mostruário novo – chamado Zeus - para os sucos em pó, evitando acúmulo de caixas vazias no final do dia e promovendo exposição qualificada de marcas e sabores ainda disponíveis sem dispersão de tempo. As vendas vêm aumentando em 17% na categoria.
DIGITAL – Ronald Peach Jr, sócio-diretor da agência Droid, reiterou o enfoque de permanente monitoramento do espaço expositivo dos produtos. Ele criou uma metodologia para analisar o impacto da sinalização digital sobre o consumidor, com métricas adequadas ao PDV (taxas de atratividade e de conversão e ainda tempo de permanência). Para ele, a sinalização digital já não enfrenta mais aversão, porque a assistência e manuseio dos equipamentos é comum na vida cotidiana. A pesquisa foi realizada em lojas populares paulistas com grande fluxo de pessoas, havendo projeção de filmes de 15 segundos em telas LCD 17 polegadas, monitoradas por câmeras presas no teto para fazer contagem de transeuntes e parada nas gôndolas, com e sem o estímulo da sinalização. Foi possível comprovar um aumento da atração e venda em vários produtos, chegando por exemplo a 70% no Veja Multiuso e 82% na sopa Maggi. “Se o consumidor está na frente da categoria e tem a tela LC, ele vai comprar”, assegura o especialista.

Praticidade e conveniência são ordem para consumidor
Apesar de uma predominância ainda jovem, constata-se um envelhecimento acelerado da população brasileira. As famílias estão menores, com lares unipessoais e até independentes, numa nova combinação de atores. Alimentos, habitação e transportes consomem 56% da renda média dos trabalhadores, percentual que chega a 70% na classe E. Esses foram alguns dos resultados divulgados por Ana Fioratti, em painel sobre tendências detectadas pela empresa de pesquisa Latin Panel durante o evento APAS 2008.
A executiva focou os números para o tipo de negócio predominante da platéia, mas suas análises prevêem impacto em todos os segmentos econômicos. A evidência de maior distribuição de renda, com a emergência das classes D e E como responsáveis por 70% do consumo nacional, afeta direta ou indiretamente qualquer empresa. Segundo ela, a alimentação fora do lar, o lazer e o vestuário serão beneficiados nesta onda, em que a renda média é de R$ 1.463,00. O consumidor ampliou sua cesta básica de maneira contundente desde 2002, passando de 30 para 40 itens diferentes em 2007 nas classes AB e de 28 para 28 itens na classe C. A praticidade e a conveniência em produtos prontos e semi-prontos é outra forte tendência, levando 36% do consumo, com aumento de desembolso para produtos não-básicos. “Preço per si não é mais a questão, mas sim valores agregados aos produtos”, aponta.
A marca de preço intermediário representa 47% das compras, patamar onde muitas marcas próprias estão sendo posicionadas (69% das pessoas já experimentaram este tipo de bem), exceção feita para produtos não básicos onde há predominância de marcas de alto preço. As marcas-líderes consolidam seus mercados com 21% das compras dos itens básicos e 28% dos sofisticados. Ana comenta que cada categoria tem um movimento específico, assim como cada canal tem seu shopper: supermercados vendem em 40% para classe C; hipermercados em 39% para classes AB e 37% para C; farmácias ficam com 43% da classe C e 27% da AB; varejo tradicional tem 39% de classes CDE; ficando o porta-a-porta com 79% das classes CDE, o mais fiel dos públicos. As linhas de têxteis (cama-mesa-banho, roupas em geral) e eletroeletrônicos não são comprados em mercados, mas sim em lojas especializadas. A pesquisadora complementa: “a maioria dos brasileiros não é fiel ao tipo de canal, tendo prevalência de traslado a pé em todas as classes sociais. Por isto, as redes fazem uma pulverização de pontos de negócio”.
A decisão de compra se dá por uma combinação de preço, sortimento e localização. O crescimento dos supermercados tem decorrido da fidelização do consumidor, que valoriza serviços adicionais, como organização da loja, existência de empacotador e variedade de estoque, além de entregas em domicílio e variedade dos meios de pagamento. Como idéias de serviços diferenciados, até porque pelo exercício de comparação e postura crítica as pessoas já não se entusiasmam com pouca oferta, Ana sugere produtos orgânicos, rotisserie, lanche no local e oferta de serviços financeiros.
TEMPO – Celso Furtado, da rede Coop Zapt de lojas de vizinhança, prestou seu depoimento nesta nova modalidade de ponto-de-venda, dentro do espírito de conveniência. A vida urbana e a falta de tempo foram realidades importantes para selecionar o tipo de loja a abrir, baseando-se na praticidade e na compra de reposição, humanização da loja com mais colaboradores, apuro na limpeza e otimização do mix. Ele comenta que as famílias e seus apartamentos menores exigem espaço reduzido de estocagem, forçando mais visitas aos mercados. Daí que produtos frescos e opções saudáveis também ganham mais atenção. O estoque varia de acordo com a demanda de cada loja, a partir da prevalência efetiva de compra, numa experiência de personalização. As lojas seguem o conceito de “brand engangement”, uma ação coordenada de cenários, disposição de mostruários e ilhas e de pessoas para envolver os clientes, com alto cuidado nas fachadas e na comunicação interna.

* Texto especial para o Oras Blog!, com cobertura do RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas