sábado, 12 de julho de 2008

Por que RP?

Vou mexer em um assunto polêmico na minha categoria profissional, os Relações Públicas. Sou RP, adoro RP e em todos os planejamentos uso as funções e estratégias de RP.
Mas eu proponho que nossa categoria mude de nome, que tal comunicólogo? Um nome mais abrangente para designar nossa função estratégica em comunicação.
Relações Públicas é tão deturpado, tão "ensimesmado" no ano de sua criação. Vejam, nossa legislação não mudou, nossa grade curricular pouco mudou, nossa atuação no mercado pouco mudou. Eu creio que seja um momento de abrirmos o campo de visão e perceber que o mercado precisa é de profissionais múltiplos, profissionais que pensem fora da caixa (como diz um dos mais usados jargões de agora), profissionais que não se acomodem na mesmice da categoria e busquem estímulos e inovações por si mesmo.
O mercado de comunicação e marketing evolui a cada dia, e a aproximação da marca com o cliente é um dos "santos graais" que as empresas buscam.
Estar capacitado para suprir essa necessidade será possível para o profissional que não só conheça as estratégias e novas mídias, mas que esteja disposto a se especializar em assuntos inovadores no ritmo que o mercado dita.
Não há segredo, é falar mais de um idioma, participar de eventos, seminários e congressos, ler muito e de tudo, assistir a filmes, participar de grupos de discussão de todo tipo de assunto: economia, nanotecnologia, web 2.0 e por assim vai... afinal, comunicamos sobre tudo.

2 comentários:

Leslie**** disse...

Márcia,na faculdade onde estudeio curso de rp ficava no mesmo prédio que os cursos de comunicação, que eram publicidade e propaganda, jornalismo e rádio e tv.maso o estranho era que o curso de rp não era incluido no chamado "cursos de comunicação".eu fiz jornalismo,e as salas de rp eram no mesmo andar que o nosso.
bjs!

Pedro Souza Pinto disse...

A questão da mudança de nome sei lá se faria alguma diferença. Comunicólogos a princípio somos todos os formados em comunicação, respeitando a etmologia da palavra. Mas discordo que a grade curricular pouco mudou. É até difícil falar qualquer coisa dela, pois cada faculdade tem a sua...
Mas tá certo, o importante é se manter atualizado e mostrar serviço! Temos uma ótima base no curso, por mais diferença que haja nas grades, basta saber investir esse conhecimento.